Pular para o conteúdo principal

Estou Lendo: Somos mesmo todos censores? Dois ensaios por Perry Nodelman


Conheci esse livro super por acaso. Estava em busca de referências bibliográficas para a escrita do meu trabalho de finalização do curso (8 semestres depois cheguei no momento do TCC! Aleluia!). De link em link cheguei em uma publicação da Revista Emília sobre o livro: pelo título já fui fisgada e "imaginei" que o conteúdo do livro seria tanto útil para o TCC quanto interessantíssimo como leitura. 
É um pequeno grande livro que estou degustando com muita satisfação. Quando finalizar a leitura do segundo ensaio, pretendo voltar aqui para escrever mais sobre esse título.

Sobre o livro
Este livro é um pequeno tesouro, o primeiro texto – Somos todos censores, de 1992 e um clássico da bibliografia sobre o tema – é acompanhado por uma réplica inédita, do próprio autor. Trata-se de um exemplo raro de honestidade e rigor científicos, que torna os dois trabalhos uma referência a ser seguida, pois eles subvertem, em certa medida, a lógica acadêmica em vigor. Os efeitos do acirramento dos conflitos étnico-raciais e de gênero das últimas décadas, atuam sobre as convicções do escritor. À argumentação contra qualquer censura, sustentada em fins do século xx, Nodelman aponta traços seus, até então insuspeitáveis, que vão do racismo ao preconceito. Essa passagem de uma defesa abstrata da censura a um chamamento à responsabilidade comprometida dos adultos com os graves problemas sociais da contemporaneidade muda o foco e relativiza o papel dos adultos como censores. Discutir a censura remete aos aspectos mais polêmicos que dizem respeito à crítica do livro para crianças: qual o papel do politicamente correto? Qual o papel da leitura na formação dos valores dos futuros agentes sociais? Qual o fundamento da divisão dos leitores por faixas etárias? Toda seleção é uma censura? Em um mundo onde a censura retorna como protetora das tradições e da manutenção do status quo para cercear as vozes que rompem o silêncio e conquistam sua visibilidade, estas reflexões não são apenas necessárias, mas imprescindíveis.

Quem é Perry Nodelman?
De origem canadense, "Perry Nodelman estudou literatura vitoriana e foi docente do Departamento de Inglês da Universidade de Winnipeg (da qual é hoje professor emérito), no Canadá, durante quase 40 anos. Desde 1975, se dedica à literatura infantil, como estudioso e formador de professores. Entre seus livros, destacam-se Pleasures of Children’s Literature (de 1992, em coautoria com a professora Mavis Reimer), Words about pictures (de 1988), The Hidden Adult: Defining Children’s Literature (de 2008), entre outras obras. Foi editor de várias revistas e publicou diversos artigos sobre literatura para crianças e jovens."

Ficha Técnica
Título original: Are we really censors? Two essays by Perry Nodelman 
Editora: Solisluna e Instituto Emília
Páginas: 96
Ano de publicação: 2020
Tradução: Lenice Bueno
ISBN: 9786586539158

Sinopse e Biografia retiradas do site da Solisluna Editora, onde vocês podem comprar o livro: https://solisluna.com.br/products/somos-mesmo-todos-censores-perry-nodelman?_pos=2&_sid=9fa880b39&_ss=r

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quero Ler: Coleção "De lá pra Cá"

  Vocês conhecem a coleção "De lá pra Cá", publicado pela Mazza Edições?  "Como a magia dos clássicos não tem fronteiras, nos sonhos de meninas e meninos brasileiros os personagens têm suas feições e habitam o cotidiano" Atualmente, a coleção possui seis títulos escritos por Cristina Agostinho e Ronaldo Simões Coelho com ilustrações de Walter Lara.  Coleção:  De lá pra Cá Autores:  Cristina Agostinho e Ronaldo Simões Coelho Ilustrador:  Walter Lara Editora:  Mazza Edições Rapunzel e o Quibungo Como a magia dos clássicos não tem fronteiras, nos sonhos de meninas e meninos brasileiros os personagens têm suas feições e habitam o cotidiano. Foi assim com uma Rapunzel nascida na Bahia – linda menina negra que veio ao mundo com longos cabelos que não paravam de crescer. Excelente cantora, Rapunzel despertou a cobiça do monstro Quibungo e precisará da ajuda do seu príncipe brasileiro para encontrar um final feliz. Chapeuzinho Vermelho e o boto-cor-de-rosa Como a magia dos

FNLIJ: Selo Altamente Recomendável 2020/Produção 2019

Criada em 1968, a Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil – FNLIJ é a seção brasileira do International Board on Books for Young People - IBBY. O Prêmio FNLIJ "teve a sua primeira versão em 1974, com a instituição do Prêmio O Melhor para a Criança".  A 46ª Seleção Anual do Prêmio FNLIJ 2020 – Produção 2019 possui duas fases, na primeira fase são escolhidos "os livros Altamente Recomendável, que recebem o Selo Altamente Recomendável FNLIJ. São considerados livros Altamente Recomendável, os títulos que compõem a lista final para a escolha dos vencedores ao Prêmio FNLIJ".  Em 10 de setembro, pelo Facebook, a FNLIJ anunciou os livros vencedores da 46ª Seleção Anual. "Dos 580 livros recebidos, foram premiados 14 títulos, de 10 editoras, em 15 categorias".  E, mais recentemente, em outubro, foi divulgado a lista dos 85  livros que foram contemplados com o selo Altamente Recomendável.  Gosto muito de conferir a lista de premiados e daqueles que recebem o S

Um lençol de infinitos fios, de Susana Ventura

Maria deseja ser escritora, então escreve seus pensamentos, cotidiano e histórias em seu inseparável caderno.  A menina nasceu na Bolívia, mas vive em São Paulo com sua família desde muito pequena. Junto com seus amigos - que são filhos de pais de diversas nacionalidade -, eles preparam um trabalho escolar sobre os países da América Latina.  Em uma das idas à Biblioteca Mário de Andrade, Maria e seus amigos conhecem a jovem Ludmi. Nascida no Haiti, a jovem acabara de chegar em São Paulo em busca do pai. Enquanto preparam o trabalho da escola, os amigos unem forças para ajudar Ludmi a encontrar o pai.  Adorei ler esse livro, pois ele une o que mais gosto: histórias de amizade, personagens crianças/adolescentes e circulam pelas bibliotecas da cidade de São Paulo.  “Um lençol de infinitos fios” é um livro de poucas páginas, mas que possui uma linda mensagem ao apresentar o poder que a solidariedade e amizade tem.  Ah, e o siginificado do título foi um dos momentos mais b